quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

VAI NESSA CRIANÇA !

VAI NESSA CRIANÇA !




AS BOAS VINDAS NESTE EXISTIR

FORAM DE ENXOVAIS DE QUALIDADE PRIMEIRA,

JUNTAMENTE COM O FERVOR SENTIMENTAL QUE ME CERCAVA.

AOS CINCO ANOS,JÁ PERCEBIA O MEU FAVORITISMO.

MEUS AMIGUINHOS NÃO TINHAM,MAS EU SEMPRE TINHA.



COM A CHEGADA DA NOVA REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DO SÉCULO 20

EU TINHA TUDO O QUE DESEJAVA MEU ESPÍRITO.

MAS,COMO UM PASSE DE MÁGICA MAL FEITA

TUDO FOI DEFINHANDO.

PERGUNTEI AO MEUS PAIS O QUE ESTAVA ACONTECENDO.



A RESPOSTA FOI SINGULAR AOS DOIS.

MINHA MÃE FALOU QUE ESTAVA MUITO VELHA PARA CONTINUAR SENDO UMA PUTA.

MEU PAI EM LÁGRIMAS EXPRESSOU-SE DIZENDO : 20 ANOS DE CADEIA!



JOKER ÍNDIO

Viagem para o céu

Viagem para o céu

No dia 03 de outubro de 2003,João Hagumaru Júnior teve um mudança em sua vida. Ele aceitou Jesus como seu único mestre e salvador de sua vida e alma. Sua vida anterior era regada a drogas,sexo,álcool,pequenos furtos.Algumas vezes fora preso,engaiolado. Ele já não aguentava tanta loucura , no entanto , procurava encontrar uma razão para viver , ser feliz.
João morava numa cidade grande,mas foi numa cidade do interior que conheceu um evangélico chamado Zacarias ; que havia sido homicida , ladrão , estuprador , viciado em crack e pedófilo.O- encontro dos dois foi em um momento em que Jõão estava numa pracinha sentado com a cabeça baixa e quase chorando . Amanhecido , havia cheirado cocaína , fumado crack e ingerido muito álcool.Sua mente estava pertubada , sentia muita depressão.
_Bom dia jovem!
_Oque é?
_Sou da igreja Tudo do Espaço foi Deus quem fez e estou levando o evangelho para as pessoas que precisam de uma palavra amiga,de conforto.
_...
Zacarias falou para João , a parábola do filho pródigo , convidou-o para ir à congregação à noite.Na despedida entre eles , Zaca deu-lhe um livro do novo testamento.João agradeceu , mas não prometeu a visita.
_Talvez,eu vá.Tô de ressaca e ainda não dormi.Mas,obrigado pela sua palavra,estava precisando.
Após este encontro,João dormiu naquela pracinha . Sonhou algo muito interessante .O senhor Jesus apareceu-lhe , dizendo, que havia um plano para ele . João acordou emocionado. Com todo ânimo encontrou a igreja e aceitou Jesus em meio a lagrimas e gritos de :Glória a Deus nas alturas.
O irmão João , como ficou conhecido,voltou para a sua cidade ,e depois de dois anos casou-se com a irmã Madalena . Madá era única filha e nasceu no seio evangélico . Tiveram três filhos . Pedro , Marcos e Tiago; e se congregavam no templo central da igreja Loucuras de meu Deus da cidade que nasceram.
Após cinco anos de converção,resolveu comemorar a data de seu batismo na pequena cidade do interior onde ele conheceu a fé , pois neste mesmo dia era aniversário da igrejinha.Foram convidados várias pessoas da capital e do interior. João e famíla conseguiram carona numa van.
O templo ficou lotado e no pátio havia muitos micro ônibus de vários lugares.
João e sua família estavam felizes.Os outros crentes também.Acabado o culto, a família volta para casa e cantam hinos de louvor durante a viagem que duraria duas horas.Alguns ofereciam biscoitos e refrigerantes,salgados e doces.Tudos na maior fraternidade.
Uma senhora perguntou a Madalena se poderia oferecer doces ao pequenos Pedro , Marcos e Tiago .
_Sim,irmã!Aleluia!
Os meninos ficaram felizes e os pais agradeceram a senhora.
Um irmão velhinho levantou-se e propôs aos outros uma oração . Todos aceitaram.
Na hora que todos estavam dizendo amém,uma carreta carregada com troncos de árvores ilegais da Amazônia,perdeu o controle e bateu de cheio na van,onde estavam os filhos de Deus.
Todos morreram . João e Madalena estavam esmagados.Alguns corpos estavam distantes há mais de duzentos metros da van.As cabeças das crianças estavam como um papel amassado.A única coisa que sobreviveu durante o acidente,foi o motorista da própria van que era ateu , escapou sem nenhum arranhão...Graças a Deus, pelo menos um se salvou!

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Matéria feita pelo jornal contramão da universidade UNA em Belo Horizonte por Ana Sandin


Na Calçada

Ele vai abordar os passantes e apresentar seu trabalho, vai fazer a pergunta em um tom cordial sem receio de um “não”. Os escritores de rua codificam a realidade em palavras nem sempre amenas.
De rua em rua, de copiadora em copiadora e de mão em mão. É assim que trabalham os escritores de rua que de forma descontraída vendem suas obras e ganham reconhecimento. Essa é a trajetória de Alexandre Washington Guimarães Paula, 33, mais conhecido como Joker Índio, ‘o escritor de todas as ruas’.
Índio começou a se interessar pela escrita aos 18 anos. No começo dos anos 90, época em que estava ligado ao movimento punk e a diversos protestos  “Foi ai que conheci as fontes de minhas inspirações: Augustos dos Anjos, Arthur Schopenhauer, Nietzsche, Franz Kafka, Albert Camus e é claro, as poesias dos poetas de rua”, relata. Joke admite que criava seus poemas ainda sem maturidade e, somente, em 2003 começou a tomar gosto pela produção literária.
O primeiro livro de Joker Índio, Eu, foi publicado por meio de reprodução em Xerox e de maneira independente. Seguindo o mesmo padrão chegou a seu quinto livreto chamado As Faces da Poesia. Seus livros, até o momento, foram apenas de poesias, mas Índio já pensa em diversificar a sua produção. “Futuramente, irei publicar contos”, adianta. Os livros têm um preço acessível, R$ 2,00 (dois reais), e com o dinheiro que ganha com as vendas, o escritor se sustenta, paga um “hotel podre”, segundo suas próprias palavras, e, ainda, viaja pelo país.
Vender os livros na rua não é opção, é prazer em se ver reconhecido. Não se pode ficar esperando a ajuda do Estado ou Governo. “Não quero morrer no anonimato. Gosto de abordar as pessoas, é uma forma de me sentir mais próximo dos leitores e assim faço amizades verdadeiras”, explica. A forma de interagir e efetuar a venda, para muitos ainda causa estranhamento. “A grande maioria ignora, acha que vou pedir esmola ou até mesmo furta-las, mas existem, ainda, pessoas legais que se alegram por eu estar mostrando a cara e não ter vergonha do que eu faço”, explica. Joker Índio, já conquistou o publico dos bares, das universidades e principalmente das ruas.
Com intuito de proliferar a literatura e a poesia de rua, em Minas Gerais, Joker Índio e mais quatro escritores de rua fundaram Associação dos Poetas Malditos de Ouro Preto (APMOP)A associação foi criada de maneira não tradicional. Os encontros são nas ruas e nos bares da cidade e são usados para discutirem o que fazer para inovar suas artes e como realizarem eventos independentes. Como o “Fodum das Letras”, crítica ao Fórum das Letras que segundo sua avaliação é um “evento voltado somente para aqueles que fazem parte da panelinha literária nacional”. O grupo é composto por escritores dos Estados do Rio Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.  Esses escritores dominam todo o processo de produção. Desde a impressão e distribuição até o primeiro contato com os leitores, que seguem a caminhar perguntando aos transeuntes: Gosta de Poesia?

A santíssima trindade brasileira
…estou aqui sozinho
bebendo vinho
pensando na minha mulher
que pensa que fui trabalhar!
…estou aqui sozinha
juntinho do alfredo(cachorro)
pensando no meu macho
que pensa que fui cozinhar!
…estou aqui com meus amigos
usando drogas
pensando nos meus pais
que pensam que eu fui estudar!
(Joker Índio)
Visualize a página completa : Jornal Contramão
Texto e foto: Ana Paula P. Sandim (Jornal Contramão 9ª Edição Setembro 2009)

Meu primeiro dvd de poesias da qual recito de maneira teatral e performática.Elaborado de maneira caseira.



segunda-feira, 13 de maio de 2013

Relato de um leitor que obteve meu livreto de poesias em Ouro Preto...tirado do seu próprio blog: consultoreremita.blogspot.com


terça-feira, 11 de novembro de 2008

Fórum, Poesias, Eterno Amor, e outras tags de Literatura


Esta minha preocupação com o que e como escrever me fez participar do Fórum das Letras de Ouro Preto. Não, não resolvi ainda ser um escritor profissional, nem estudar para isso, muito menos pedir demissão do meu atual emprego para viajar e tomar parte em discussões literárias de alto nível. Apenas aproveitei minha estada profissional em Ouro Branco, que pelo nome é intuitivo imaginar que seja perto de Ouro Preto. Pois realmente é, apenas uns quarenta minutos de carro.
Resolvi aparecer, certo de que seria um evento bem mais movimentado do que as usuais noites em Ouro Branco. Mas não foi. Só tive tempo (e paciência) de assistir ao final de uma mesa com Nelson Motta e Lobão, acerca de movimento musical e espaço para novas bandas (mas o Fórum de Letras? Será que, por Letras, eles contam Letras de músicas?), e o início da mesa seguinte, sobre memória e ressentimentos, onde um professor de hebraico e três ilustres escritores judaicos desconhecidos citavam e recitavam obras e poemas judaicos, assunto do qual não conheço (nem fiz muita questão de passar a conhecer).
Feito isto, minha participação no Fórum seria finalizada num bar, com show e microfone aberto para poesias. Ao chegar no local, uma música bem alternativa, com decoração e pessoas do mesmo porte. Destaque para um poeta que se apresentou como "Joker Índio, o poeta de todas as ruas" e veio à minha mesa vender seu trabalho. Eu, como um bom incentivador da cultura nacional, resolvi comprar seu livreto de poesias, mas não tive coragem suficiente para comprar o CD, onde ele recita as poesias, muito menos o DVD, onde ele executa uma performance (??!?) das mesmas! Deixei para a próxima vez...
Li o livrinho, bem interessante, mas continuei sem paciência, por isso apenas jantei e fui embora, sem participar do sarau de poesias. Fui embora com a impressão que, apesar de gostar de escrever e me dedicar para manter este blog, nao tenho perfil para ser alguém do mundo das Letras (como meus distintos colegas de Fórum).
Para terminar, parte do poema "Eterno Amor", de Joker Índio:
"...Que o nosso amor se eternize na minha barriga grande de cerveja e no aparecimento dos teus pés de galinha!?"

domingo, 12 de maio de 2013

Esse texto fará parte de uma coletânea que abordarei o vício, especialmente o crack!


Olho para dentro de mim
Mas não consigo encontrar nada.
Minha mente está vazia
Eu preciso dar mais uma latada.

Por não trabalhar mais, vou pedir dinheiro
Se não me derem, o jeito é assaltar
Depois saio correndo para a boca comprar um crack
Só de pensar nisso me dá vontade de cagar.

Melhor do que isso só outra pedra de crack.
Quero parar com isso
Mas parece que não sou mais eu
Pensar em parar me dá uma angústia
Sou um zumbi agora, mais um que se fodeu.

Eu vendi o meu celular, minha moto e o meu corpo
Se eu soubesse que minha vida seria assim
Gostaria de ter sido vítima de um aborto.

Eu pesava 70 quilos e era um belo rapaz
Agora estou só o osso
O apetite foi embora
Minha boca fede muito e as minas não me querem mais.

Minha mãe chora por mim
Sinto pena dela, coitadinha
Mas, acho que vou fumar até o fim

Às vezes penso que ela é culpada
Por eu ser um escroto
Talvez a solução seria ela ter feito um aborto.

Neste momento meu coração acelera
O vício me deixa descontrolado
Eu preciso mais de uma pedra

Meu fim está selado
Minha vida está por um triz
Sou mesmo um viciado
Não era essa vida que eu quis!


terça-feira, 7 de maio de 2013

Texto tirado do blog amitampoco.blogspot.com...Eu estava saindo do restaurante Sóton em Ouro Preto e ouvi duas garotas perguntarem a alguém sobre uma cachaçaria, não deu outra, fui até elas falar sobre o bar do titino que fica na rua da biblioteca, mas no meio do caminho meus comentários a asustaram e desistiram de me acompanhar até lá.Encontrei este texto digitado por uma delas em seu próprio blog.

Diário de viagem - III

*
Terça-feira, 11 de novembro de 2008, 23h30
- Vocês estão procurando uma cachaçaria?
De fato, nós estávamos em busca de uma cachaçaria. Nós éramos, aliás, duas turistas em Ouro Preto procurando uma cachaçaria no meio da noite. Alguém no bar em frente havia dito: “nessa ruazinha aqui tem uma”, e quando estávamos a dois passos de entrar na tal cachaçaria, alguém gritou “Ei!” e veio correndo na nossa direção. Era baixinho, moreno, e tinha cabelos na altura do ombro.

- Eu conheço uma cachaçaria ótima! Posso levar vocês até lá.
Eu olhei pra Manu desconfiada, mas ela me olhou com curiosidade.

- Não precisa, não. A gente vai nessa aqui mesmo. Obrigada – eu disse, sorrindo polidamente.
- Mas a outra é bem mais legal. E é aqui pertinho. Eu levo vocês lá, vamos!
Olhei pra Manu com cara de “nem pensar”, mas ela me olhou com cara de “ué, de repente”.

- A que distância fica daqui, mais ou menos? – perguntou Manu, interessada.

- Ah... uns 100... 200 metros...
Fiz cara de “parece longe”, Manu de “parece perto”.

- Vamos, meninas! Vocês vão gostar!
Manu me olhou.

- Vamos?
Eu não queria ser antipática com moço tão solícito, nem anti-social na nossa primeira noite em Ouro Preto. Mas algo me dizia que nós não estávamos num filme do Woody Allen, não éramos duas americanas em Barcelona, e o rapaz, definitivamente, não tinha o poder de persuasão do Javier Bardem.

- Ok. Vamos. – eu disse.

E fomos. Ele se apresentou como “Joker Índio, o poeta de todas as ruas” e começou a falar euforicamente. Duas quadras depois, já estava recitando suas poesias (“que o nosso amor se eternize / nas suas varizes!”, declamava empolgado), e a gente ria, balançando a cabeça como quem diz “que figura, hein”. E fomos descendo, descendo, passamos por uma igreja do Aleijadinho, outra igreja do Aleijadinho, depois um cemitério, e as ruas foram ficando escuras e desertas, e mais escuras, e mais desertas, então eu comecei a interromper o falatório de Joker Índio numa mescla crescente de nervosismo/irritação: falta muito? onde é, afinal? logo ali onde??? ONDE???

Mas Joker Índio sorria confiante, situação dominada.

- Não se preocupem, meninas... Eu sei, vocês agora devem estar pensando naquele motoboy que matava mulheres em lugares escuros... Mas, ó, eu sou de confiança! Fiquem tranqüilas...
Ah, claro que ele é de confiança, pensei. Ele nunca diria que não é de confiança. Eu não havia pensado no tal motoboy, mas agora estava pensando, e muito. Prestes a penetrar com minha amiga e um desconhecido em mais um trecho escuro de mais uma ladeira, eu estaqueei.

- Manu, quero voltar.
Por sorte, Manu me olhou com cara de “eu também, eu também!” e consentiu na mesma hora. Mas Joker Índio se negou a aceitar a idéia.

- Mas mas... é logo ali! Falta tão pouquinho agora... Vamos!
- Olha, Joker Índio – eu disse, reunindo todo o meu tato diplomático – valeu a boa vontade, foi muita gentileza sua nos acompanhar, mas a sua cachaçaria é muito longe, e nós vamos voltar. Tchau.
- Nãããão! Não façam isso... Vamos, por favooor!
"Por favor"? Joker Índio parecia ter uma baixíssima tolerância a "nãos", mas "por favor" já era demais. Fui obrigada a dizer-lhe algo horrível. Olhei fundo dentro dos seus olhos e falei:

- Não insista.

Ele seguiu, inconformado, ladeira abaixo. Nós voltamos, apavoradas, mas vivas, Ouro Preto acima.


quarta-feira, 24 de abril de 2013

Vídeo gravado em João Molevade pela equipe do PQP https://www.youtube.com/watch?v=5qctgVBg3yo

https://www.youtube.com/watch?v=5qctgVBg3yo









Vídeo feito por João Álvaro com intuito de participarmos de um concurso feito por uma operadora de telefonia móvel...não nos selecionaram



nstituto médico legal...vídeo gravado na praça da estação em BH

http://www.youtube.com/watch?v=Xqozpbov46Y

A semana quase feliz...vídeo feito em BH

http://www.youtube.com/watch?v=6ft3bFQ-QOU

Eterno amor...vídeo gravado na praça da liberdade em BH

http://www.youtube.com/watch?NR=1&v=E7oXT6EeUoo&feature=endscreen

Masturbei-me...vídeeo gravado ao lado do viaduto de santa teresa em BH

http://www.youtube.com/watch?v=eeaprMcDjoA

Amizades quase sinceras...vídeo gravado em frente a biblioteca pública de BH

http://www.youtube.com/watch?NR=1&v=0IIC75BmAWg&feature=endscreen

Vídeo poema feito em BH por Geraldo Barbosa meu amigo...A santíssima trindade brasileira

http://www.youtube.com/watch?v=ycWtnVLl-iA

terça-feira, 7 de setembro de 2010

colagem: marty gordon

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

MULHER INEXISTENTE AINDA

ESTA NOITE ELA APARECEU EM MEUS SONHOS.
SEUS OLHOS BRILHAVAM COMO UMA ESTRELA SOLITÁRIA ,
PARECIA UMA SENHA PARA FICARMOS JUNTOS E NUNCA MAIS SÓS.
ERA TÃO BELA INTERIORMENTE QUE QUASE NÃO NOTEI SUA BELEZA FÍSICA
E, DIGA-SE DE PASSAGEM,ELA ERA LINDA.

INFELIZMENTE NÃO TROCAMOS CARINHOS E AFAGOS NOS SONHOS
POIS ,UM FILHO DE PUTA COM MARGINAL ACORDOU-ME BEM NA HORA
QUE ELA IRIA DIZER ONDE NOS ENCONTRARÍAMOS PARA A TROCA DOS BEIJOS E CARINHOS , E SELAR ESSA UNIÃO
QUE JÁ ESTAVA MARCADA EM NOSSAS GÊNESES.

SE UM DIA VOCÊ LER ISTO, E SE LEMBRAR DE ALGO EM SEU CORAÇAO E MENTE,
FALE PARA MORFEUS RESGATAR ONDE PARAMOS.
NÃO QUERO PASSAR A ETERNIDADE SEM TE CONHECER REALMENTE,
SEM SENTIR O TEU ODOR,TEUS LÁBIOS,VOZ,OLHOS E AFIRMAR QUE SEMPRE TE AMEI.

MAS,AINDA BEM QUE O IMBECIL QUE ME ACORDOU TEVE MEU PERDÃO,
POIS HAVIA UM INCÊNDIO NO MEU QUARTO E QUASE VIRARIA CINZAS.
O IMBECIL VIROU HERÓI E SERÁ PADRINHO DO NOSSO FUTURO RELACIONAMENTO.
VÊ SE NÃO DEMORA,POIS VOCÊ JÁ ESTÁ ATRASADA MEU BEM!

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Sou uma puta

SOU UMA PUTA
SOU O "BEBEDOURO COLETIVO"
SOU APENAS UMA MULHER!

TENHO O GOZAR MARAVILHOSO COM MUITOS HOMENS,
GANHO DINHEIRO POR ISTO.
VIVO, GOZO EXISTO!

MAS, A PAIXÃO E A DROGA DO AMOR
UM DIA CEGARAM-ME OS OLHOS.
VIVIA COMO UMA MULHER EXEMPLAR
NÃO TRAÍA NEM EM PENSAMENTOS O MEU COMPANHEIRO.

PORÉM, A ENERGIA QUE MOVIA MEUS IMPULSOS E MINHA BOLSINHA
MOVIA TAMBÉM O SATIRISMO DE MEU HOMEM
...QUE TREPAVA COM MUITAS MULHERES E NÃO TRAZIA NADA PARA CASA.

PERCEBI,ENTÃO,QUE A PUTARIA É FILHA DO PRÓPRIO HOMEM E DA PRÓPRIA MULHER.
...MATEI O SENTIMENTO CEGO E VIVO A VIDA SEM NINGUÉM COMO UMA PUTA VERDADEIRA QUE UM DIA PENSOU EM DEIXAR PARA SEMPRE SEU OFÍCIO.

SOU UMA PUTA!
A PUTA QUE TE PARIU!

por joker índio

A semana quase feliz

VIVIA UMA VIDA FELIZ COM SUA FAMÍLIA.
TUDO CERTO,TUDO BOM.
SEM PROBLEMAS.

MAS,NA SEGUNDA - FEIRA,
SUA MÃE MORREU.
NA TERÇA - FEIRA,
SEU PAI TEVE PARALISIA TOTAL.
NA QUARTA - FEIRA,
SUA ESPOSA FOI ATROPELADA E NÃO RESISTIU.
NA QUINTA - FEIRA,
SUA ÚNICA FILHA FOI ENCONTRADA AFOGADA.
NA SEXTA - FEIRA,
SEU FILHO SE MATOU.
NO SÁBADO,
GANHOU NA LOTERIA!

por joker índio

Era feia aquela bela mulher

ERA FEIA AQUELA BELA MULHER,
SUA PELE LEMBRAVA UM ANTIGO PÊSSEGO,
SEUS OLHOS REFLETIAM AREIA NOS OLHOS ALHEIOS.

ELA NÃO SABIA SE EXISTIA OU NÃO,
SUA TARA CAUSAVA ESPANTO NA MAIS CLEÓPATRA DAS MULHERES.
ERA INTELIGENTE TAMBÉM,
MAS NAS HORAS FÁCEIS TRANSITAVA PELA ACEFALIA.

SEUS SONHOS NÃO PASSAVAM DE SONHOS,
POIS SEUS PESADELOS DAVAM O SENTIR DE VIVER.
VIVER POR SI,VIVER POR QUALQUER COISA.
MAS,APENAS-APENAS,ERA UM SER-HUMANO IMPERFEITO,
PERFEITAMENTE NOS MOLDES DO CARBONO.
EU A ODIVA POR SER ASSIM,PORÉM ERA A ÚNICA QUE SENTIA QUE MEU SER ERA ESPECIAL.

ELA FOI EMBORA E NÃO VOLTOU,E ME SENTI COMO UM CACHORRO DE BENFICA.,E A SOLIDÃO DE BRAÇOS ABERTOS RECEBEU -ME
E DISSE AOS MEUS OUVIDOS:
SEU OTÁRIO,EU SABIA QUE UM DIA TU IRIAS VOLTAR!

por joker índio

O TALCO DA TERRA

JÁ NÃO INCOMODA-ME MAIS A PRESENÇA DO CÂNCER,
O CATARRO QUE SAI DE MEUS PULMÕES
É O MEU MELHOR AMIGO.

JÁ DECOREI TODAS AS RECEITAS E BULAS DE REMÉDIOS
A MORTE ME EXCITA!
OS MÉDICOS E AS ENFERMEIRAS SÃO COMO PENAS CAÍDAS DE UM PÁSSARO QUE JÁ VOOU EMBORA.

BRINCO DE MÚSICA COM MINHA TOSSE,
ATÉ O MOMENTO QUE A MÚSICA FÚNEBRE TOCAR.

(GLEIDSON-VÍTIMA DE TUBERCULOSE-05 ANOS)

por JOKER ÌNDIO

curso interior

NO HORIZONTE DE MOLAS E ESPUMAS
NOSSAS PELES SE TOCAVAM,
ESTE MOMENTO FOI TRADUZIDO
NA MINHA LÍNGUA EM TEU CURSO INTERIOR!

por joker índio

...se fodeu!

Na mesa havia bolo,pães,queijos,frutas,leite,etc.Dalila iria bem alimentada para o trabalho,e depois para a faculdade.
Sua casa era de estilo colonial,casa antiga.Famíla de classe média alta.Moça alegre,vivia bem com todos ao seu redor.

-O café está pronto,vem logo!
_Já vou mãe!

Depois de uma sexta-feira de trabalho e estudos,Dalila chega em casa e toma aquele banho maravilhoso.Em meio ao banho,a mãe avisa atrás da porta que Camila,a amiga de infância,ligara.

_Obrigado mãe,ligo para ela depois!

Ela saiu do banheiro perfumada e vestiu aquela calcinha vermelha que dá um toque a mais à sua pele, e por fim um vestidinho florido que ganhara de um travesti amigo seu!

_Fala diaba!Quais são as novas?
_Oi amiga!vamos sair e beber um pouco com as meninas do meu curso?Você já as conhece!
_Aonde,naquele bar de sempre?
_Sim,às oito horas,ok?
_Ok!

Dalila foi até a cozinha reclamar mimosamente para a mãe que estava com muita fome.Com um abraço e carinho agradeceu o sim de sua genitora.

_Fiquei o dia fora,e a Rosilene(empregada doméstica) não veio porque está com gripe suína.Fiz uma pizza pra gente.Você irá adorar!
_Tudo bem mãezinha.
_O que a Camila queria?
_Ela me convidou para ir ao bar com nossas amigas.
_Filha,você trabalhou e estudou o dia inteiro.Vai descansar!Alguma coisa me diz que,você deve ficar em casa.
_Não momi!Não vai acontecer nada.Volto cedo!
_...
_Não se preocupe,eu sei me cuidar!

A mãe finge que aceita,mas seu coração não.
Após a refeição,o abraço e beijo dado na mãe,Dalila sai de casa e chega ao bar.

_Oiiiiiii!Boa noite mulherada?
_Boa noite!(todas)
_Bem na hora marcada!
_Nunca me atraso.Vamos caçar uma mesa?
_Vamos!(todas)

Elas se sentam e pedem cervejas.O papo rola legal-faculdade,trabalho,fodas,homens,...

-Dalila aquele gato tá te olhando.
_É,percebi!É lindo de mais. Meu Deus!
_Ele tá vindo para cá.
_É mesmo,ai,tô com vergonha!

O cara boa pinta chega na mesa e cumprimenta Dalila e todas as suas amigas,senta-se ao lado dela após ter recebido um sim.

_Seu nome,bela mulher?
_Danila!E o seu?
_Francisco de Assis Pereira!...kkkkkk!Não,Não,Não!Brincadeira,é Marcus!

Os dois conversaram por pouco tempo e começaram a chupar a língua um do outro.Os amigos de Marcus e de Dalila juntaram-se as mesas.
Parecia tudo tão feliz naquelas três horas que se seguiram naquele momento.Eles convidaram as meninas para uma fazenda e continuar a festa,pois o bar já estava fechando as portas.

_Vamos meninas!

Todas afirmaram que não estavam afim,mas Dalila apaixonada foi!
Na fazenda,muita cerveja,crack,cocaína,LSD,maconha,heroína.etc.Ela,aos poucos,ficou com muito medo dos amigos de Marcus,pois estavam todos loucos pelo efeito das drogas e desfilavam nus pela área.Marcus tentava relaxar a pequena!

_Não fique com medo.Tá tudo tranx!
_Você jura?
_É claro minha gatinha!Vá para a aquele quarto ali e me espera,ta?Eu vou ao banheiro!
_Tá bom!Cadê o meu beijo?
_Vem cá!
_Gostoso!

Marcus foi aos amigos e pediu uma seringa descartável.

_Qualé Marcus?Uma heroína?
_É claro!

Naquele instante,Marcus viaja oniricamente por todos os planos!

_Aí galera!Vou botar pra vocês a mina que to catando.É pra botar para foder!
_Grande Marcusão!ÊÊÊÊÊÊÊ!(todos em côro)
_Eu vou entrar no quarto,depois vocês entram.
_Pode crer!(todos)

Marcus altamente drogado entra no quarto.

_Aí gostosa,tira a roupa!
_Seu bobinho,já estou.Tira este lençol para você ver!

Marcus tira o lençol e vai direto em sua bocetinha gostosa.Ela delira em sentir sua língua quente.
A galera entra e Marcus para de chupa-la e segura-a dizendo:

_Minha querida,hoje você irá morrer de prazer!
_Não!Para com isso Marcus!Eu não tô gostando nada disso!
_Calma!
_Eu vou gritar!

Rapidamente,Marcus a puxa pelos cabelos e por trás amarra uma meia em sua boca para que fique calada.Ela se debate e é atingida com um soco na barriga e todos começam a violenta-la.
Ela chora e a galera não tem pena.Pensa nas palavras da mãe.O olho se enche de lágrimas que se misturam com a porra de um dos caras que ejaculam em seu rosto.
Após cinco horas quase desmaiada,os animais se saciam.E dizem para ela ficar calada,se não mostram as fotos que eles tiraram dela nua com muitas picas ao seu redor na rede mundial de computadores e depois a matariam.

_Filha,como foi ontem noite?

Dalila não responde e chora silenciosamente.
Depois daquele noite,Dalila nunca mais abriu um sorriso,nunca mais deu carinho a mãe,não falava mais com os amigos e não se alimentava.
A mãe estranhava o comportamento da filha.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Só Jesus salva

No dia 03 de outubro de 2003, João Hagumaru Júnior teve um mudança em sua vida. Ele aceitou Jesus como seu único mestre e salvador de sua vida e alma. Sua vida anterior era regada a drogas, sexo, álcool, pequenos furtos. Algumas vezes fora preso, engaiolado. Ele já não aguentava tanta loucura, no entanto procurava encontrar uma razão para viver, ser feliz.
João morava numa cidade grande, mas foi numa cidade do interior que conheceu um evangélico chamado Zacarias, que havia sido homicida, ladrão, estuprador, viciado em crack e pedófilo. O encontro dos dois foi em um momento em que João estava numa pracinha sentado com a cabeça baixa e quase chorando. Amanhecido, havia cheirado cocaína, fumado crack e ingerido muito álcool. Sua mente estava pertubada, sentia muita depressão.

_Bom dia jovem!
_O que é?
_Sou da igreja Loucuras de meu Deus e estou levando o evangelho para as pessoas que precisam de uma palavra amiga, de conforto.
_...

Zacarias falou para João a parábola do filho pródigo, convidou-o para ir à congregação à noite. Na despedida entre eles, Zaca deu-lhe um livro do novo testamento. João agradeceu, mas não prometeu a visita.

_Talvez eu vá. Tô de ressaca e ainda não dormi. Mas obrigado pela sua palavra, estava precisando.

Após este encontro, João dormiu naquela pracinha e sonhou com algo muito interessante: o senhor Jesus apareceu-lhe, dizendo que havia um plano para ele. João acordou emocionado. Com todo ânimo encontrou a igreja e aceitou Jesus em meio a lágrimas e gritos de glória a Deus nas alturas!
O irmão João, como ficou conhecido, voltou para a sua cidade, e depois de dois anos casou-se com a irmã Madalena. Madá era única filha e nasceu no seio evangélico. Tiveram três filhos : Pedro , Marcos e Tiago e se congregavam no templo central da igreja Loucuras de meu Deus da cidade que nasceram.
Após cinco anos de conversão, resolveu comemorar a data de seu batismo na pequena cidade do interior onde ele conheceu a fé, pois neste mesmo dia era aniversário da igrejinha. Foram convidadas várias pessoas da capital e do interior. João e famíla conseguiram carona numa van.
O templo ficou lotado e no pátio havia muitos microônibus de vários lugares.
João e sua família estavam felizes. Os outros crentes também. Acabado o culto, a família volta para casa e cantam hinos de louvor durante a viagem que duraria duas horas. Alguns ofereciam biscoitos e refrigerantes, salgados e doces. Todos na maior fraternidade.
Uma senhora perguntou a Madalena se poderia oferecer doces aos pequenos Pedro, Marcos e Tiago.

_Sim, irmã! Aleluia!

Os meninos ficaram felizes e os pais agradeceram a senhora.
Um irmão velhinho levantou-se e propôs aos outros uma oração. Todos aceitaram.
Na hora que todos estavam dizendo amém, uma carreta carregada com troncos de árvores ilegais da Amazônia, perdeu o controle e bateu em cheio na van, onde estavam os filhos de Deus.
Todos morreram. João e Madalena estavam esmagados. Alguns corpos estavam distantes há mais de duzentos metros da van. As cabeças das crianças estavam como um papel amassado. A única coisa que sobreviveu durante o acidente foi o motorista da própria van que era ateu e que escapou sem nenhum arranhão... Graças a Deus, pelo menos um se salvou!

sexta-feira, 13 de novembro de 2009


esta é do banksy!

homenagem ao nosso santo homem...
(por naaman)

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

...que saudades da cidade maravilhosa...
(por naaman)

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Sexo na infância

Sexo na infância
(por joker índio)

Foi no começo da década de 80, mais exatamente em 1981, quando conheci a Ping. Ela era minha vizinha e tinha um irmão chamado Ney.

Minha mãe na época tinha 38 anos. Havia casado com meu padrasto uns dois anos antes. A gente morava num bairro de palafitas, casa de madeira. A casa, minha velha que havia comprado, com suor de seu rosto.Ela lavava roupas peidadas de burgueses.

Eu tinha 05 anos, Ping tinha 05 também e seu irmão tinha 04. Brincávamos muito, víamos televisão e cantávamos “guerra dos meninos”, música de Roberto Carlos. Ping era muito hiperativa, ela me batia quando ficava zangada. O Ney ficava só olhando e rindo das diatribes da irmã.

Numa noite qualquer, Ping me chamou para ir na casa de uma vizinha nossa. Dona Sebastiana. Sebastiana era lavadeira, assim como minha mãe. Diziam as más línguas que a mãe de Ping era prostituta antes de se casar. Ping puxou-me e levou-me para baixo da casa da Sabá e fomos parar num vão, que lá na Amazônia chamamos de chagão.

_Prá onde tu tá me levando?

_Cala a boca, pequeno! Égua!

Ping começou a abaixar o meu short e tirar minha camisa que tinha uma figura do super-homem. Fiquei pelado e ela começou a tirar a roupa também. Lembrei-me quando, numa noite qualquer, meu padrasto estava em cima da minha mãe, gemendo. Nós dormíamos na mesma cama. Ping deitou-se no chão e me chamou.

_Vem cá!

_...

Fiquei beijando-a, roc ei minha piquinha em sua bocetinha . Ping havia me pedido para deixar-me ser chupado por ela, gostei muito. Comecei a sentir gosto do sal de sua periquita também. Tudo numa inocência infantil.

Naquele deleite infantbaby, fui surpreendido com uma tapa no rosto. Ping foi açoitada por um cinturão. O pai de Ping havia, não sei como, descoberto aquele nosso momento. Vesti-me, enquanto Ping era arrastada pelo próprio pai, e fui embora para casa com medo.

A mãe de Ping foi em casa e começou a metralhar a minha mãe com palavras de baixo calão. A velha, orgulhosa, dizia:

_Prendam suas cabras! Meus bodes estão soltos!

Certo dia, a gente se encontrou e fomos para o banheiro de uma outra vizinha, pois os banheiros ficavam do lado de fora e não haviam cercas ou muros nos terrenos.

Depois de muito tempo entendi aquela frase que minha velha havia respondido, e também a atitude dos pais da Ping.

Bichas evangélicas

Bichas evangélicas
(por joker índio)

O nome dele era Roberval. Criado num seio católico, virou evangélico aos 20 anos. Achava que o demônio estava sondando-o 24 horas por dia e sentia que seu lado fraco era a pederastia. Sua formação católica não dava soluções ao seu problema.

Roberval ia aos cultos todos os dias e não conseguia disfarçar sua queda pelos garotinhos de 10, 11, 12, 13, 14, 15 anos que freqüentavam a igreja.Nos cultos, era o primeiro a se ajoelhar perante ao pastor, que chamava aos fiéis para o exorcismo e para a oração da fogueira santa de Israel.

Roberval não agüentou a pressão que seu cu fazia e teve um caso com um garotinho de 12 anos, filho de pastor e que aceitava a pederastia numa boa, sem culpa ou pecado.

Os dois se encontravam todos os dias na igreja. Ficaram apaixonados. Beijavam-se na boca e um dava o cu para o outro atrás da cantina da congregação.

Roberval dizia que aquilo era coisa do capeta. O rapazinho dizia que não. Roberval aceitava a idéia. O garoto dizia que Deus nunca existiu e que era uma idéia que o próprio homem havia inventado. Roberval lutava contra esse pensamento, mas amava o garoto.

Passaram-se 06 meses, e os dois se encontravam na casa da família do moleque com a desculpa de fazer jejum e orações. Roberval adorava seu namoro, mas odiava quando o moleque começava a blasfemar o nome de seu Deus. O moleque falava:

_Deus, vá para a puta que pariu!

_Não fale isso, você me ofende assim! Eu acredito em nosso Senhor.

_E isso, você gosta? (colocando a mão de Roberval na sua bunda)

_...desgraçado, moleque do capeta!

A família do moleque descobriu o caso amoroso quando a polícia pediu para que identificassem um corpo queimado que estava no IML da cidade. Roberval foi preso e declarou-se culpado. Ele dizia que havia tido um sonho com o Senhor e o mesmo ordenara que sacrificasse aquele jovem pecador, pois traria muita desgraça à sua igreja.

Roberval está preso agora e muito arrependido. Na cadeia, começou a ler para matar o tempo. Descobriu o “Anti Cristo” de Nietzsche. Lembra-se de seu moleque e se masturba com dedo no cu e declara para os outros presos que Deus não existe.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Menino (Jesus) de rua

Se a ponte pra divindade é uma criança que vem a Terra

então basta que vocês abram as pernas,

pra que nasça mais uma criança sem amor

e a falta de amor salve toda a terra!!!

(por aurélio)

BAR

As coisas acontecem

[boas e ruins]

Sonhos se conhecem

nossas mulheres

[nos encontram]

Alcoólatras se afundam

[mais e mais e ...]

Viverei eternamente nos bares

[da vida]

Simplesmente porque é lá que

as coisas

[acontecem]

Ímã das loucas

Íma das locas
(por joker índio)

Em 2007, cheguei na pequena cidade de Ferro Negro após seis anos.

Como sou poeta de rua e viajo por muitos lugares, portava minha sobrevivência com meus livretos feitos de maneira caseira, artesanal.

Antes de chegar nesta cidadezinha, estava com uma fome bestial de ter uma nova mulher em minha vida. Pois a mulher anterior havia trucidado meus planos de ter uma vida normal a dois. Ela era esquizofrênica, tinha transtorno bipolar e era sádica.

Certa manhã, fui a uma mini cachoeira perto do centro da cidade para tomar banho e refrescar-me, pois o calor estava intenso e minhas virilhas, saco e cu estavam muito suados. Após meia hora, aparece uma jovem bêbada e portando uma garrafa de vinho de marca podrona.

Ela perguntou se eu era bicha, pois eu estava com uma calça femenina do tipo malhação. Falei que não, com os olhos fixos em seus peitos. Ofereçeu-me vinho. Bebemos e tomamos banho. Ficou pelada e fiquei com o pau duro. Fomos para a casa dela, e lá não poupamos a fúria de um querer foder com outro.

Depois do deleite fui vender os poemas , e à noite voltei para sua casa. Não imaginava o que a maldita vida me reservara, o “eterno retorno”.

Depois das primeiras semanas morando com ela, a mina surtou, extrapolando vários surtos que presenciei em toda a minha vida. Tomava um copo(copo americano) cheio de pinga em uma golada só. Ficava louca e convidava os homens mais cabulosos para fuder. Tudo na minha frente.

Parti fora e sumi por um bom tempo. Não queria encontrá-la. Não era ciúmes que sentia. Sentia sim a vontade de ter uma mina, pelo menos responsável com a porra da vida. Coisa negada até o momento.

Após meses, soube que havia morrido numa dessas loucuras. Ela havia sido morta por um mendigo que havia levado para a casa. Coisas de cachaça. Coisas de loucos.

Hoje é o dia do aniversário da morte dela. Estou aqui na mini cachoeira com a Luciene, garota que acabei de conhecer e que estava bêbada. Agora se delicia com a boca no meu pinto.

Já ouvira falar dela. Tipo: linda, viciada em crack, alcóolatra, ninfomaníaca e acusada de matar o marido.

Sem esperança de encontrar alguém normal, vou aproveitar esse “doce pesadelo” com a certeza de não o prolongar até a minha morte. Sou o imã das loucas, vou trepar muito com ela. Tenho que entender isso. Ferro Negro é legal. É melhor do que Jerusalém, minha cidade natal. Lá só existem homens e não existem mulheres sãs ou loucas a vista.

Mulher de 30

Mulher de 30
(por joker índio)

Eu estava na minha cama de solteiro. Morava só com as duas cachorras. Minha mãe de criação havia morrido há pouco tempo.

Ela estava sentada ao meu lado. Já não namorávamos mais. Ela havia me enchido o saco por quase 02 anos com seus ciúmes doentios.

A gente se encontrava e fodiamos de vez em quando.

Ela era puta, puta de luxo. Isso fora antes de nos conhecermos. Adorava sexo.

Ouvia vozes e tinha transtorno bipolar.

Como havia mandado ela sair da minha vida, ela me falou com aquela cara de puta, que havia passado a semana santa numa ilha com praias de rio.

Achei normal. Querendo despertar ciúmes em mim, pois antes da viagem havíamos brigado, ela falou que havia trepado com 30 caras.

Como meus amigos haviam "comido ela" nesse dia dos 30, me relataram o acontecido.

Achei normal, pois imagino como seria legal foder 30 mulheres ao mesmo tempo.

A liberdade é para ser usada, assim como o próprio corpo.

Como não dei muita bola à sua aventura sexual, ela começou a me bater com um pedaço de pau. Saiu sangue da minha cabeça, perdi um dente.

Consegui segurá-la e dei três socos: um nas costas, um na barriga e último no rosto.

Após essa confusão, estávamos no chão fodendo. Gozamos pra caralho.

Para não acontecer novas agressões por parte dela, incendiei a casa e mudei- me para outro estado.

Pedi à minha famíla e amigos que não revelassem meu paradeiro.

Até hoje ela me manda e-mails para voltarmos, mas com certeza prefiro me masturbar pensando nela!

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

OUÇA ISTO:

"VAI TOMAR NO TEU CU
SEU FILHO DA PUTA!
NÃO ENCHE O CARALHO DO SACO,
SEU ARROMBADO!

TÔ COM MUITO ÓDIO,
QUERO MATAR UM!
NÃO ME VENS COM FRESCURA SEU FILHo DA PUTA,
VAI SE FUDER PARA LÁ!

MORRA VOCÊ E SUA FAMÍLIA,
SEU MALDITO DESGRAÇADO!
NÃO ENCHES A PORRA DO SACO,
SEU FILHO DE PUTA COM MARGINAL,
VÁ TOMAR BEM NO MEIO DO SEU CU!"

(ISSO FOI O QUE A BIA DE 03 ANOS FALOU PARA MIM!)
O BACANAL

TODO DIA
TODA NOITE

...OU A QUALQUER HORA,

OS GÊNEROS SE APROXIMAM

AS OPÇÕES SE IGUALAM.

BEIJOS QUE SE ENCONTRAM COM OUTROS BEIJOS,

BOCAS QUE VIAJAM NAS ESTRADAS DOS CORPOS.

O CALOR E O SUOR SE HOMOGEINIZAM NOS EXTREMOS ORIFÍCIOS.

DO OUTRO LADO DA FESTA

OS VÍRUS SE APROXIMAM,

AS BACTÉRIAS SE IGUALAM,

HERPES QUE SE ENCONTRAM COM OUTROS HERPES,

ANTI-CORPOS QUE VIAJAM E NÃO VOLTAM MAIS

A SACANAGEM É PLENA E A LIBIDO SE DIVERTE

NA CIRANDA DA DOR E DO PRAZER.

masturbei-me


MASTURBEI-ME

HOJE,MASTURBEI-ME PENSANDO EM TI
FOI UM GOZAR VIRTUAL MARAVILHOSO VERDADEIRO,
ONDE NEM O MAIS MASTURBARDOR
MASTURBOU-SE GOSTOSO COMO EU.

AINDA NÃO NOS BEIJAMOS
NEM SEQUER TOCAMOS.
MAS,QUERO DEIXAR DE SER SOLTEIRO
PARA CAIR EM TEUS BRAÇOS E BOCA EM TUA VULVA.
NÃO SOU SEXISTA,SÓ ESTOU DESAGUANDO A VERDADE
QUE SE PASSA PELA MINHA CABEÇA DE CIMA E DA DE BAIXO.

QUERO SER O RETORNO
DOS MEUS E DOS TEUS GENES
QUERO REPETIR A DOSE SAGRADA QUE TEU PAPAI E TUA MAMÃE
FIZERAM EM TUA GÊNESE,
ASSIM COMO EM QUATRO PAREDES NÓS IREMOS COPIAR
SELANDO A MINHA FELICIDADE E ÊXTASE COM A PESSOA QUE ESTOU AMANDO!
TU!

sejam benvindos!